quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

HORAS DECISIVAS


Já rolaram uma porrada de produções com tragédias marítimas no cinema, sendo a mais famosa a do navio "Titanic". Pegando carona neste principio, a Disney decidiu adaptar uma história verídica que aconteceu em 18 de fevereiro de 1952, com o Capitão Bernie Webber (Chris Pine, o novo Capitão Kirk de "Star Trek"), que junto com outros quatro caras, enfrentaram uma enorme tempestade marítima a pedido do oficial Daniel Cluf (Eric Bana, o "Hulk" de 2003), para resgatar a tripulação de um navio tanque que foi partido ao meio e estava afundando cada vez mais rápido. Ao mesmo tempo, acompanhamos o drama da tripulação tentando sobreviver e guiar o barco aos comandos do engenheiro Senior, Ray Sybert (Casey Affleck, de "Interestelar")

A história é basicamente bem narrada e comandada, onde o diretor Craig Gillespie ("A Hora do Espanto") se perde um pouco no decorrer da narrativa e demora pra criar diversos arcos de tensão nas sequencias que se passam dentro do navio tanque, onde rendem bons momentos para Affleck e os coadjuvantes que vivem seus colegas no navio. Só que o fator mais prejudicial foi a escolha de Holliday Grainger ("Cinderela"), para viver a noiva de Webber. Ela não conseguiu transpor uma verdadeira mulher que tava preocupada com o marido entre a vida e a morte em alto mar, mas sim uma porra de namorada Stalker (pelo amor de Deus, ela soa mais como uma perseguidora do que uma noiva que ama seu parceiro) e o tempo todo a atuação dela soou bastante artificial e no estilo de uma atriz de novela mexicana. Nem uma sequencia de discussão com o puta ator que é o Eric Bana, ela conseguiu demonstrar uma reação valida (já temos uma nova candidata ao posto de expressões da Kristen Stewart?). Sua química com Chris Pine é tão bizarra, que o ator demonstra que não se sente nem um pouco a vontade de estar ali com ela. Fora as sequencias com ela, ele consegue até fazer um bom papel.


Quanto a questão de utilização do 3D, ele é totalmente caça niqueis e nem profundidade notamos nas sequencias em alto mar (que estavam muito bem feitas por sinal), que poderiam ter trazido mais tensão na película. Dentro desses fatores, "Horas Decisivas" fica a beira de um futuro filme que vai reprisar em exaustões na televisão, mas até que soa bem para uma produção para passar o tempo e esquecermos dela momentos depois de deixar a sala de projeção.

Nota: 6,5/10,0
Imagens: Reprodução da Internet

Um comentário:

Mariana Soto disse...

Eu amei o personagem de Chris Pine, e como você diz, ele fez um ótimo trabalho de atuação. Ele é um ator muito talentoso. Mulher Maravilha é um dos seus filmes mais recentes dele, é maravilhoso! Na minha opinião, foi um dos mehores filmes de herois 2017. que foi lançado. O ritmo é bom e consegue nos prender desde o princípio. É importante mencionar também o grande trabalho do elenco. O filme tem uma direção incrível, narrado de uma forma bem humorada e divertida. Apesar de ser uma história clássica tem muitos toques contemporâneos. Não duvidei desde que vi o trailer em que seria um excelente filme.

Postar um comentário